Covid-19 deixa cultura brasileira de luto com morte de maestrina e maestro

O novo coronavírus foi fatal para diversos artistas que prestaram uma contribuição inestimável à música coral brasileira. Vitimou a maestrina Naomi Munakata e o maestro Martinho Lutero Galati de Oliveira, nesta semana.

A maestrina titular do Coral Paulistano, Naomi Munakata, morreu aos 64 anos nesta quinta-feira (26) em São Paulo. Segundo o Hospital Alemão Oswaldo Cruz, ela faleceu em decorrência de complicações por infecção originada pelo coronavírus (covid-19).

bernadetealves.com
Maestrina Naomi Munakata e Coro Paulistano

Mesmo tendo apresentado uma melhora no quadro clínico nos últimos dias,a regente Munakata teve uma piora abrupta durante a noite, que evoluiu para um choque séptico. A maestrina morreu por volta do meio-dia.

O boletim médico informou que a maestrina deu entrada no hospital dia 16 de março com sintomas de insuficiência respiratória grave, sendo internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) no mesmo dia. De acordo com os médicos, Naomi apresentava comorbidades que resultaram na evolução desfavorável do quadro clínico dela.

bernadetealves.com
Maestrina Naomi Munakata

Naomi tocava piano desde os quatro anos de idade e com sete começou a cantar no coral regido por seu pai – Motoi Munakata. Estudou violino, harpa e formou-se em Composição e Regência em 1978 pela Faculdade de Música do Instituto Musical de São Paulo, na classe de Roberto Schnorrenberg.

bernadetealves.com
Maestrina Naomi Munakata

“Lamento profundamente a morte da maestrina Naomi Munakata, do Coral Paulistano Mário de Andrade, do Theatro Municipal de São Paulo. Uma das mais importantes regentes brasileiras, Naomi foi também regente titular do Coro da Osesp durante duas décadas, com reconhecimento internacional. Era um orgulho para a Prefeitura de São Paulo tê-la como colaboradora”, disse Covas.

bernadetealves.com
Maestro Martinho Lutero com o cinquentenário Coro Luther King

Também faleceu em decorrência de complicações do novo coronavírus o maestro Martinho Lutero Galati de Oliveira, criador da Rede Cultural Luther King, em São Paulo, faleceu aos 66 anos, dia dia 25,  vítima do novo coronavírus. A informação foi confirmada pela esposa do maestro Sira Milani e na página oficial da instituição da qual era regente.

Milani foi internado no dia 17 de março. O primeiro teste realizado para identificar a Covid-19 deu negativo, já o segundo deu positivo, mas o resultado só foi informado durante o processo de certidão de óbito. Na manhã de quarta,dia 25, o maestro  Martinho apresentou melhora no quadro de saúde, mas sofreu uma parada cardíaca durante a noite.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Martinho Lutero Galati de Oliveira aos 16 anos criou o Coro Luther King e depois fundou o Coro Cantosospeso em Milão, na Itália. Foram 50 anos dedicados à música.

A morte de Naomi Munakata e de Martinho Milani  foi lamentada também por vários críticos, autoridades e músicos de São Paulo.