Hora do Planeta: alerta para perigos das mudanças climáticas  no mundo

Hora do Planeta 2019 alerta para os perigos das mudanças climáticas - bernadetealves.com
Sarney Filho e governador Ibaneis Rocha aderem Hora do Planeta da WWF

A natureza nos fornece o ar que respiramos, a água que bebemos e a comida que comemos e mesmo assim a maltratamos. O consumo desenfreado de energia, desperdício de alimentos e o descarte de lixo em locais desapropriados estão ameaçando severamente o Planeta.

As mudanças climáticas, em decorrência da poluição, colocam em risco de extinção espécies de plantas e animais nas áreas mais naturais do mundo. A Hora do Planeta é uma oportunidade para juntos defendermos a Mãe Natureza.

Hora do Planeta 2019 alerta para os perigos das mudanças climáticas - bernadetealves.com

A organização ambiental WWF-Brasil, em Brasília, está promovendo atividades para chamar atenção para o consumo consciente de energia. O evento reúne apresentações musicais, oficinas, venda de produtos sustentáveis de produção local. Tudo para chamar atenção para a Hora do Planeta, ação em que as luzes devem ser apagadas em todo o mundo entre 20h30 e 21h30, nos horários locais.

A Hora do Planeta é um movimento simbólico que ocorre uma vez por ano, no fim de março. A mobilização existe desde 2007 e aqueles que participam firmam o compromisso com o planeta de criação de um mundo sustentável. De acordo com o WWF, 95 cidades brasileiras se comprometeram com o movimento. De acordo com a entidade, 130 monumentos dos país apagarão as luzes.

Em 2018, segundo a WWF, a humanidade já havia consumido até 1º de agosto o que deveria consumir no ano inteiro. A demanda anual da humanidade em relação à natureza ultrapassa a capacidade de renovação dos ecossistemas terrestres. Por isso a necessidade de nos comprometermos em economizar energia, não só hoje, mas sempre. O consumo desenfreado sobrecarga a Terra e compromete a qualidade de vida.

Hora do Planeta 2019 alerta para os perigos das mudanças climáticas - bernadetealves.com

O GDF aderiu ao movimento cujo Termo de Adesão foi assinado pelo governador Ibaneis Rocha, pelo secretário de Meio Ambiente, Sarney Filho, e pelos representantes da WWF em Brasília.  “Precisamos refletir que nossos hábitos têm interferência direta na natureza e cabe ao governo dar o exemplo”, disse o governador Ibaneis.

No dia 30 de janeiro o governador Ibaneis sancionou a lei que proíbe canudos e copos de plástico em estabelecimentos comerciais da cidade. A regra exige que eles sejam substituídos por descartáveis feitos a partir de material biodegradável, como amido e fibras de origem vegetal. O projeto tramitava na Câmara Legislativa desde 2016.

 “A Hora do Planeta 2019 é uma oportunidade poderosa de começar um movimento pela natureza para ajudar a garantir um comprometimento internacional para parar e reverter a perda da natureza”, disse o diretor-geral da WWF Internacional, Marco Lambertini.

Hora do Planeta 2019 Hora do Planeta 2019 alerta para os perigos das mudanças climáticas - bernadetealves.com
Tais Meireles, da WWF Brasília

Taís Meireles, uma das líderes da Hora do Planeta, diz que é necessário repensarmos nossos hábitos pela saúde do Planeta. “O consumo consciente não precisa ocorrer apenas uma vez por ano. As pessoas podem repensar seus atos todos os dias, desde o reduzir o uso de canudo de plástico, fechar torneira, diminuir o consumo de papel, deixar o ar condicionado ligado com as janelas fechadas. Coisas pequenas, mas que fazem toda a diferença”, diz Taís Meireles.

O Palácio do Buriti, a Torre de TV e o Estádio Nacional de Brasília terão as luzes apagadas por uma hora como forma de mostrar apoio ao combate ao aquecimento global e à preservação do planeta. A Catedral de Brasília também terá as luzes apagadas.

Hora do Planeta 2019 alerta para os perigos das mudanças climáticas - bernadetealves.com

Recentemente, a WWF Brasil divulgou um estudo que indica uma tendência de redução da superfície hídrica na Amazônia brasileira. Em média, foram perdidos 350 km2 de área coberta por ambientes aquáticos por ano. Pesquisas demonstram ainda que, nos últimos anos, o número de queimadas aumentou, além de perdas na produção pela extensão do período seco e o racionamento de água que se estende pelo país, chegando pela primeira vez à capital federal.