Cartunistas brasileiros fazem um tributo a Quino, criador de Mafalda

bernadetealves.com
Cartunista Joaquín Salvador Lavado Tejón, o Quino, com sua Mafalda

O cartunista argentino Joaquín Salvador Lavado Tejón, conhecido como Quino, criador de Mafalda, falecido no dia 30 de setembro, aos 88 anos, está sendo homenageado por cartunistas brasileiros e reverenciado por todos nós.

bernadetealves.com
Maurício de Souza faz homenagem ao colega Quino

Seu primeiro livro de humor gráfico foi “Mundo Quino”, em 1963. Em seguida o historiador foi convidado a publicar uma tirinha no jornal Primera Plana, onde surgiu a menina  Mafalda. A personagem de Quino fez tanto sucesso que está por todas as partes. E não apenas nos livros traduzidos para mais de 30 idiomas, entre inglês, italiano, francês, hebraico, alemão, guarani e coreano.

bernadetealves.com
Maurício de Souza e Quino com suas famosas criações: Mônica e mafalda

Seus desenhos populares sobre a garota com ideias progressistas também foram compilados em livros, e estes tiveram sucesso equivalente. Quino resistiu à fama mesmo diante do sucesso enorme de Mafalda. “Optei pelo desenho porque falar é difícil para mim”, admitiu em uma entrevista.

bernadetealves.com
Cartunista Claudio Atilio faz homenagem ao argentino Quino
bernadetealves.com
Cartunista Bira Dantas faz homenagem ao argentino Quino

O cartunista explicou que sua protagonista é mulher por causa da influência do movimento de emancipação feminina dos anos 1960 e porque “as mulheres são mais espertas“,dizia o pensador argentino Joaquín Salvador Lavado Tejón.

Quino foi o criador das histórias em quadrinhos mais traduzidas da língua espanhola e referência para muitas gerações. A menina Mafalda  destemida e sonhadora ,foi seu maior sucesso pela luta contra as injustiças. Joaquín Salvador Lavado Tejón representava através dos desenhos os comportamentos sociais e sentimentos.

bernadetealves.com
O cartunista Toni Rodrigues faz homenagem ao fenomenal argentino Quino

A garotinha Mafalda  protagonizou histórias de 1964 a 1973. A ‘heroína “ não aceitava o mundo como ele era.  “E reivindica o seu direito de continuar sendo uma menina que não quer se responsabilizar por um universo adulterado pelos pais.”

bernadetealves.com
Cartunista Toni D’Agostinho faz tributo a Quino, criador de Mafalda

“Que importa a idade? O que realmente importa é perceber que, no fim das contas, a melhor idade da vida é estar vivo”, dizia Mafalda.

bernadetealves.com
Cartunista Joaquín Salvador Lavado Tejón, o Quino, com a escultura de Mafalda em San Telmo, 2009

Quino tinha uma habilidade incrível em tocar o coração das pessoas não só da América Latina como do mundo. Ele estava a frente de seu tempo ao relatar questões fundamentais da existência humana. Seus cartuns  nos faziam  pensar sobre as coisas ruins do cotidiano e nos convocava a defender os injustiçados. Suas criações falam por si só e ultrapassam fronteiras.

O humor do pensador argentino teve impacto social e político em vários países. A opressão das mulheres também era mostrada com muita reflexão.

bernadetealves.com
Cartunista Ed Carlos Santana faz homenagem ao argentino Quino

Numa mescla de texto com desenho Quino clamava pela humanidade. Perdemos uma voz poética e uma pessoa boa e talentosa. Em função disso seus colegas e fãs resolveram homenageá-lo.

bernadetealves.com
O cartunista André Luiz Barroso faz homenagem ao argentino Quino

Mauricio de Souza, Laerte Coutinho, Ique, Baptistão e Chico Scarpini estão entre os 50 artistas participantes da mostra virtual  “O Nosso Quino” organizada pela Associação dos Cartunistas do Brasil.

Aqui em Brasília ele foi homenageado por Kleber Sales, no Correio Braziliense.