Kawan Figueiredo leva Brasília aos Jogos Olímpicos de Tóquio

bernadetealves.com
Kawan Figueiredo leva Brasília aos Jogos Olímpicos de Tóquio


O atleta olímpico Kawan Figueiredo, de 18 anos, beneficiário do Bolsa Atleta do GDF conquistou um lugar nos Jogos Olímpicos de Tóquio, previsto para julho deste ano, após bom resultado na Copa do Mundo, disputada em Tóquio. Kawan é um dos grandes nomes mundiais do salto.


Beneficiário dos programas Bolsa Atleta e Compete Brasília, oferecidos pelo Governo do Distrito Federal (GDF) por meio da Secretaria de Esporte e Lazer (SEL), Kawan Figueiredo treina no Centro de Excelência da Universidade de Brasília (UnB). “É um auxílio fundamental para o meu dia a dia de trabalho; sem eles, não conseguiria manter a rotina de treinos”, relatou por telefone o atleta do Distrito Federal.

bernadetealves.com
Centro de Referência Especializado de Assistência Social, de Ceilândia

O atleta de saltos ornamentais, Kawan Figueredo Pereira, nasceu no dia 17 de junho de 2002 e iniciou a rotina de treinamento no Centro Olímpico e Paralímpico do Gama. Passou por várias atividades antes de conhecer os saltos ornamentais.


Na capoeira, aprendeu a fazer mortais e isso foi essencial para usar nos saltos de trampolins e plataformas. “Foi nesta modalidade que as portas se abriram e eu me tornei um atleta profissional. Continuo morando no Gama e sempre que sobra um tempinho eu volto lá para ver minhas origens”.

Em 2009, o educador social do Centro de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (Cose), do Gama, Laércio Nicolau, levou Kawan para uma seletiva de saltos ornamentais no Centro Olímpico e Paralímpico da região. O atleta, apaixonado por futebol, inicialmente resistiu à ideia. O treinador, porém, sabia do potencial do jovem e insistiu para que ele entrasse nos saltos ornamentais. Dez anos depois, Kawan ganhou a medalha brasileira nos Jogos Pan-Americanos de Lima, no Peru.

bernadetealves.com
Kawan Figueiredo leva Brasília aos Jogos Olímpicos de Tóquio

No currículo Kawan tem duas participações em Pan-Americanos, uma no Sul-Americano e uma no Mundial. Foi campeão brasileiro de um metro e de três metros (2014) e duas vezes campeão Sul-Americano de um metro e uma vez na plataforma de três metros (2017 e 2019). No Mundial de 2019,nos Jogos Pan-Americanos de Lima, Peru, Kawan e Isaac, foram bronze nos saltos sincronizados.


“A ficha ainda não caiu”, disse o atleta, ao comemorar a vaga confirmada para as Olimpíadas de Tóquio, no Japão. Agora, afirma, é preciso manter o ritmo para a final da Copa do Mundo de Tóquio, após ter tido destaque na classificatória de Gwangju, na Coreia do Sul, na qual ele ganhou destaque na surpreendente quarta colocação da classificatória da plataforma de 10 metros.

A decisão para a copa ocorre na terça-feira (4). Focado na disputa de medalha, Kawan relaxou apenas quando ouviu a voz da mãe, dona Antônia Maria. “Ela está superfeliz com meu resultado e me parabenizou muito”, conta, emocionado.

Assim como Kawan Figueredo Pereira, vários esportistas participam dos programas de incentivo da Secretaria de Esporte e Lazer. Somente em 2021, estão sendo atendidos 130 atletas olímpicos e 107 atletas paralímpicos por mês.

bernadetealves.com
Kawan Figueiredo leva Brasília aos Jogos Olímpicos de Tóquio

“Estamos muito felizes com a conquista do jovem Kawan, que vai representar o Distrito Federal e o Brasil nos Jogos Olímpicos”, declara a secretária de Esporte e Lazer, Giselle Ferreira. “Por meio de programas importantes, como o Bolsa Atleta, podemos ajudá-lo a manter a rotina de treinos com desempenho alto. Vamos torcer bastante por mais esse talento esportivo da capital federal.”


O Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos, onde o atleta deu seus primeiros passos rumo a Tóquio, é executado pela Secretaria de Desenvolvimento Social em 17 centros de convivência, seis unidades do Centro de Referência de Assistência Social (Cras) e 18 organizações da sociedade civil (OSCs) parceiras de execução indireta, totalizando cerca de 4.415 participantes inscritos.

bernadetealves.com

“Trata-se de um serviço de suma importância”, destaca a secretária de Desenvolvimento Social, Mayara Noronha Rocha. “Durante a pandemia, as ações foram adaptadas e replanejadas para que o trabalho não parasse em momento algum”, informa a titular da Sedes e primeira-dama de Brasília.


O público frequentador é composto por crianças a partir de 6 anos, jovens, adultos e idosos,
inseridos em atividades embasadas em estratégias voltadas ao fortalecimento de vínculos afetivos, conquista da autonomia, empoderamento do cidadão e convívio social. Para se inscrever no serviço, basta procurar o Cras de referência da região, onde será feito o devido encaminhamento.


Fotos: Satiro Sodré/CBDA e Tony Oliveira/Agência Brasília