Maior Superlua de 2021 poderá ser apreciada ao entardecer deste 25 de maio

bernadetealves.com
Superlua vista nos céus de Brasília em março de 2021

A Superlua ocorre quando a Lua está cheia e em seu perigeu, o ponto de órbita mais perto da Terra. Por isso, a perspectiva do satélite natural parece maior quando observada do nosso planeta. A maior Superlua de 2021 ocorre nesta terça-feira, 25 de maio e amanhã dia 26.


O professor de física e de astronomia da Universidade de Brasília (UnB), Paulo Brito, diz que o melhor horário para observação da Superlua no momento em que é no momento em que ela nasce.


Nesta terça-feira dia 25, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia, o Sol vai se pôr às 17h48. Após esse horário, os moradores da capital já podem começar a olhar para o céu e acompanhar o nascimento da Superlua.

bernadetealves.com
Superlua registrada no Distrito Federal, em imagem de arquivo

Aqui no Distrito Federal o fenômeno pode ser visto a olho nu a partir das 17h49. Além disso, a poluição luminosa da cidade não atrapalha a observação. No início da noite o fenômeno estará mais nítido. “Toda lua cheia fica bonita quando observada do horizonte. Para quem vai acompanhar com telescópio, o melhor horário é até antes da meia-noite”, diz Paulo Brito.

bernadetealves.com
Evolução de Eclipse parcial ao total com Lua de Sangue

A maior Superlua do ano coincidirá com um eclipse lunar total, onde a Lua aparecerá vermelha por aproximadamente 15 minutos. Porém, esse fenômeno, segundo o professor Paulo Brito, não poderá ser observado em Brasília. No Brasil, o eclipse lunar ocorrerá voltado para o oceano Pacífico e que só poderá ser visto, de forma parcial, do Acre.


O eclipse está previsto para ocorrer às 6h17, no horário de Brasília. A “Lua de Sangue” é chamada dessa forma devido ao tom avermelhado que ela toma devido à iluminação.Esse fenômeno, que dá à Lua um tom avermelhado, é provocado pelos mesmos fatores que fazem o céu ser azul.

bernadetealves.com

No eclipse, Sol, Terra e Lua ficarão alinhados, e nosso planeta bloqueará a passagem dos raios solares até o satélite. A forma como as cores são “desviadas” ao passar pela atmosfera e a posição dos astros criarão o tom vermelho. Para entender a “Lua de Sangue” é importante saber como os raios solares se comportam na atmosfera.

bernadetealves.com
Lua de sangue clicada na Califórnia, Estados Unidos, em imagem de arquivo

Thiago Signorini Gonçalves, da Sociedade Astronômica Brasileira, explica que a luz solar é a soma de todas as cores. Quando essa luz chega na camada de ar da Terra, cada cor se espalha de uma forma. Vale lembrar da sequência de cores do arco-íris: violeta,anil,azul,verde,amarelo,laranja e vermelho.


Thiago Signorini diz que cores da luz do Sol são afetadas de maneira diferente. A luz mais azul é muito mais afetada, mais espalhada à medida que vai passando. “Quando estamos na Terra e olhamos para cima o céu é azul. A cor azul se ‘espalhou’ por toda a atmosfera. A percepção dos nossos olhos também influencia. Temos mais facilidade para perceber o azul e o verde. Por isso, o céu é azul para nós. Nesse caso, tem a ver com a nossa fisiologia também”.

bernadetealves.com
Ilustração da NASA mostra como seria o eclipse da perspectiva da Lua

Como seria um eclipse “terráqueo” total da perspectiva da Lua? A agência espacial americana divulgou uma ilustração. Ver a Terra da perspectiva da Lua em dia de eclipse é ver um grande anel vermelho onde tem a atmosfera.


Fotos e gráficos: Nasa, Vyacheslav Oseledko/AFP, Mike Blake/Reuters, Hana Gartstein e TV Globo/Reprodução