Brasil vence o Mundial Sub-17 e revela joias do futebol

bernadetealves.com
Os craques da conquista do Mundial sub-17 masculino de 2019

O futebol é paixão coletiva, que mexe e emociona quando a gente assiste uma geração nascida em 2002 e 2003, carregar com orgulho uma camisa centenária e o sonho de milhões de futuros craques. O Mundial Sub-17 aqui em Brasília foi carregado de energia e emoção. A prévia foi na semifinal contra a França e hoje os meninos do Brasil aproveitaram a oportunidade que a vida lhes deu.

bernadetealves.com
Estádio do Bezerrão, do Gama, palco da final do Mundial Sub-17 entre Brasil e México

O Brasil conquistou o título do Mundial sub-17 masculino de 2019 num jogo disputado com o México no Estádio Bezerrão, no Gama, para alegria do futebol brasileiro. Alegria redobrada já que há oito anos um time verde-amarelo não conquista um título mundial da Fifa no futebol de base.

O time comandado por Guilherme Dalla Déa venceu o México de virada por 2 a 1. Uma vitória importante porque em 2005 a seleção que tinha nomes como o lateral esquerdo Marcelo e o meia Renato Augusto, ficou com o vice-campeonato ao perder justamente para o México.

bernadetealves.com
Brasil comemora o título do Mundial sub-17 masculino de 2019 de forma invicta

O Brasil venceu todos os jogos antes da final. Na primeira fase, passou por Canadá (4 a 1), Nova Zelândia (3 a 0) e Angola (2 a 0) pelo Grupo A; depois, eliminou o Chile nas oitavas de final (3 a 2), a Itália nas quartas (2 a 0) e a França nas semifinais (3 a 2) e agora o México por 2 a 1.

Com a conquista, os brasileiros chegam ao quarto título no torneio, no qual já havia conquistado o título em 1997, 1999 e 2003. Os mexicanos foram campeões em 2005 e 2011. A Nigéria, maior campeã da competição, tem cinco edições do Mundial.

bernadetealves.com
Cafu, capitão do Penta, com os campeões do Mundial Sub-17

A geração nascida em 2002 e 2003: Matheus Donelli, do Corinthians,  Yan Couto, do Coritiba, (Gustavo Garcia, Palmeiras), Henri, do Palmeiras, Luan Patrick, do Athletico Paranaense,  Patryck, do São Paulo; Daniel Cabral, do Flamengo,  Diego Rosa, do Grêmio; Gabriel Veron, Palmeiras, Pedro Lucas do Grêmio,  (Matheus Araújo, do Fluminense),  João Peglow do Internacional, (Lázaro, Flamengo); Kaio Jorge do Santos, escreveram uma página na história do futebol do Brasil ao honrar a história de uma camisa centenária. Talento e coração foi determinante para a vitória e para a carreira dos craques da base.

O Brasil começou a partida um pouco agitado. Logo encontrou seu rumo e era melhor em campo. No segundo tempo , num vacilo, o México abriu o placar. Aos 20 minutos, Eugenio Pizzuto cruzou pela esquerda para a área e Bryan Gonzalez cabeceou para o chão, no contrapé do goleiro Matheus Donelli, abrindo o placar.

bernadetealves.com
Guilherme Dalla Déa, técnico da Seleção Brasileira de Futebol Sub-17

O técnico Guilherme Dalla Dea reagiu e tirou João Peglow aos 26 e colocou Lázaro. Em sua primeira chance, aos 28, o camisa 20 recebeu da direita e, livre dentro da área, bateu de primeira – por cima do gol. O Brasil passou perto do empate aos 35 minutos, sufocando o México. Primeiro, após bela troca de passes, Lázaro chutou em cima da defesa. Depois, Daniel Cabral arriscou da intermediária e mandou mais uma no travessão.

bernadetealves.com
Kaio Jorge, comemora gol contra México

O sufoco só acabou aos 38 minutos. Gabriel Veron cabeceou por cima. Só que a arbitragem consultou o VAR e encontrou um carrinho de Alejandro Gomez sobre Gabriel Veron no início da jogada e marcou pênalti. Kaio Jorge, do Santos, bateu firme no canto direito do goleiro García e empatou.

A partir daí só deu Brasil. Nos acréscimos, aos  47 minutos, Lázaro, jogador do Flamengo,  recebeu o cruzamento de Yan pela direita e mandou de primeira para as redes. Era o gol do título mundial do Brasil e o encerramento da participação com vitórias em todos os jogos do Mundial.

A final deste domingo foi a sexta entre as seleções de Brasil e México, e os mexicanos haviam levado a melhor em todas as anteriores: Copa Ouro de 1996, Copa das Confederações de 1999, Copa Ouro de 2003, Mundial sub-17 de 2005 e Jogos Olímpicos de 2012.

O presidente da Fifa, Gianni Infantino, entregou a Taça para os Meninos de Ouro do Brasil e elogiou a competição no Brasil. “Impecável, fantástico. Muito coração, paixão. Futebol excepcional. Brasil na final com o México. O país do futebol é o Brasil, e estamos aqui para esse Mundial. É fenomenal. Vimos jogadores extraordinários, organização perfeita. O presidente da Fifa está muito contente hoje”, disse o dirigente.

bernadetealves.com
Ronaldo e Cafu na final do Mundial Sub-17, no Estádio Bezerrão, no Gama-DF

Os craques Ronaldo e Cafu, o capitão do Penta, participaram da premiação ao lado do presidente da CBF e da Fifa. Henri , capitão do Brasil Sub-17, recebeu o troféu do Mundial Sub-17 das mãos de Ronaldo e do capitão do Penta, Cafu.

bernadetealves.com
Cafu, capitão do Penta, entregando a Taça para o capitão do Sub-17 Henri

Henri viveu o momento mais mágico de sua carreira até o momento. “Emoção única. Não tem explicação. Não tenho palavras. Emoção tão grande. Minha família assistindo, a gente em uma união tão grande, vem batendo na trave, e conseguimos ser campeões do mundo”.

bernadetealves.com
Brasil comemora o título do Mundial sub-17 masculino de 2019 de forma invicta

O goleiro Matheus Donelli, do Corinthians,1,88 de altura, ganhou a Luva de Ouro da Copa do Mundo Sub-17. Crucial no título da Seleção Brasileira, o jovem foi eleito o melhor jogador de sua posição em toda a competição.

“Estou satisfeito”, disse ele após a premiação. “Este prêmio me deixa muito feliz. Eu não estava buscando essa honraria individual. O objetivo era realmente o título. Chegamos lá para enorme felicidade nossa, e esta Luva de Ouro vem se somar à minha alegria. É difícil cair a ficha de que ganhei esses dois troféus. Estou no paraíso”, disse o campeão.

Gabriel Veron, do Palmeiras, foi eleito pela FIFA como o melhor jogador da Copa do Mundo Sub-17. O atacante, que marcou três gols na campanha, foi um dos principais jogadores da Seleção Brasileira no tetracampeonato mundial. Bola de Prata adidas: Adil Aouchiche, da França e a Bola de Bronze adidas: Eugenio Pizzuto, do México.

bernadetealves.com
Gabriel Veron, do Palmeiras, foi eleito pela FIFA como o melhor jogador da Copa do Mundo Sub-17
bernadetealves.com
Nathanaël Mbuku, França, Chuteira de Prata, Sontje Hansen ,Holanda, Chuteira de Ouro e Kaio Jorge, Chuteira de Bronze

Kaio Jorge, 17 anos, atacante do Santos, ganhou a Chuteira de Bronze. A nova promessa dos Meninos da Vila, é autor de quatro gols, um deles na semifinal contra a França, é o artilheiro do Brasil no torneio. Chuteira de Ouro adidas: Sontje Hansen , Holanda e Chuteira de Prata adidas: Nathanaël Mbuku, França.

bernadetealves.com
Kaio Jorge (Santos), Gabriel Veron(Palmeiras) e João Peglow (Internacional), joias do Brasil Sub-17

O técnico da Seleção Brasileira Sub-17 campeã do mundo, Guilherme Dalla Déa, conquistou sua primeira Copa do Mundo. O trabalho à frente da geração de jogadores nascidos em 2002 começou em 2018 quando ele assumiu a categoria. O treinador agradeceu pela continuidade do projeto mesmo após o resultado adverso no Sul-Americano deste ano e elogiou o avanço que a CBF tem promovido na base do futebol brasileiro.

“A CBF está de parabéns. Ela passou a realizar grandes campeonatos nessa categoria, como o Brasileiro e a Copa do Brasil. Torneios que geram competitividade nos atletas e aumenta a qualidade dos jogadores. A força mental que esses meninos mostraram nesta Copa do Mundo é fruto dessa realidade, em que os atletas estão cada vez mais preparados para jogar em alto nível. Estamos no caminho correto. Tenho certeza que esses atletas seguirão tendo êxito no futuro”,disse Dalla Déa.

bernadetealves.com
Os campeões do Mundial Sub-17 2019, novas joias do Brasil

“O futebol brasileiro vem num evolução fantástica. Esse título vem para coroar o trabalho de todos os profissionais do Brasil, principalmente os treinadores. Eu só coloco minhas ideias aqui na Seleção. Mas são os treinadores que formam esses jogadores no dia a dia. Gostaria de dividir esse título com todos os treinadores brasileiros, principalmente os que trabalham com a base. Sei quanto é a pressão na base também. Compartilho com eles e com a nação brasileira”, concluiu o técnico do Brasil Sub-17.