As Janelas da Esperança energizadas pelo Sol e relíquias da natureza

bernadetealves.com

As pessoas foram afetadas não só fisicamente, mas também psicologicamente, pela pandemia do novo coronavírus. A necessidade do isolamento por questões de saúde foi reforçada a partir do momento em que o nosso lar garantia segurança, conforto e acolhimento.

Ao mesmo tempo que o distanciamento social tornou-se sinônimo de segurança e as pessoas se refugiaram em suas casas, as janelas passaram a ser um meio de comunicação entre vizinhos e fonte de luz e esperança.

bernadetealves.com
As Janelas da Esperança energizadas pelo Sol e relíquias da natureza

Nunca se passou tanto tempo dentro de casa e a quarentena nos fez enxergar a vida com os olhos do coração. Além de abrirmos as janelas para contemplar a natureza, usufruir da luz solar e sentir os aromas das flores, tivemos que abrir nosso coração para uma vivencia familiar mais harmoniosa e produtiva.

bernadetealves.com
Alvina Maria Pilla, moradora da Asa Sul, Brasília

Os olhares para dentro de casa e também para fora foram ressignificados. A casa tornou-se mais que um espaço entre quatro paredes. Passou a ser o abrigo da família e local para produzir e garantir renda. Neste cenário marcado pelo home office durante meses, a brisa e o aroma da natureza,que entram pelas janelas são bálsamos para fortalecer o corpo e a mente e dar mais disposição para o trabalho e para suportar as incertezas do amanhã.

bernadetealves.com

Esta crise humanitária de saúde impactou drasticamente a vida de todos uma vez que mais da metade da população mundial vive, atualmente, em cidades ou áreas densamente povoadas. O que bilhões de pessoas ao redor do mundo chamam de lar, em grandes centros urbanos, são pequenos espaços separados por tijolos, concreto e aço. 

bernadetealves.com

Uma situação preocupante que levou as autoridades mundiais de saúde a discutirem as condições de vida e de trabalho das pessoas. Estudos relativos à pandemia levaram a Organização Mundial da Saúde (OMS) a recomendar que, sempre que possível, os espaços residenciais e de trabalho devem ter ventilação natural e entrada de luz solar.

bernadetealves.com
Mãe com filhos contemplam o mundo pela janela da esperança energizada pelo Sol

O presidente do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Distrito Federal (CAU-DF), Daniel Mangabeira, concorda com a recomendação da OMS e diz que os mecanismos de desenho urbano precisam se adequar às questões de saúde das pessoas. “A luz do sol é higienizante, e nós, como arquitetos, precisamos nos preocupar com isso. Nós brasileiros temos mais liberdade graças ao nosso clima ameno”, diz Mangabeira.

bernadetealves.com
Área residencial da 308 Sul do Plano Piloto, Brasília

Em Brasília, os moradores do Plano Piloto contam com os cobogós e pilotis que são representações da ode à ventilação natural e da valorização dos espaços interligados aos ambientes externos. Quem reside nestes apartamentos viu o quanto a ventilação natural e a luz do sol são fundamentais para a saúde e o bem-estar das pessoas. Em tempos de pandemia essas qualidades se tornam fundamentais.

bernadetealves.com

A necessidade de adaptar os lares para o trabalho também fez com que muitos identificassem cômodos subaproveitados e locais que necessitavam de mais conforto, acessibilidade e colocação de itens para facilitar e melhorar a qualidade de vida da família. Isso exigiu a relocação do orçamento familiar e nos levou a enxergar a residência de maneira mais sensorial.

A pandemia  nos ensina que temos que priorizar os aspectos funcionais e a fácil higienização da nossa residência. O lar tem que ser sinônimo de refúgio, conforto e segurança. A saúde e o bem-estar da família são prioridades, sempre.

bernadetealves.com
Na Asa Sul do Plano Piloto, avó e neta, conversam com familiares pela janela e recebem os raios da esperança