Intestino: o cérebro desconhecido

bernadetealves.com

Os médicos acreditam que a função do nosso sistema digestivo vai muito além de simplesmente processar a comida que ingerimos. Eles o consideram como um “segundo cérebro”. Um órgão vital que integra o nosso “1º Pilar para uma vida saudável”.

A doutora Megan Rossi, especialista australiana em saúde intestinal, diz que devemos prestar mais atenção na nossa barriga. Segundo ela o intestino é um sistema nervoso autônomo, chamado  Sistema Nervoso Entérico (SNE), que possui milhões de neurônios que trabalham na transmissão de informações dentro do organismo, inclusive com o cérebro. Esse contato é feito pelo nervo vago, uma estrutura que percorre todo o tórax e liga o intestino à cabeça.

Esse sistema nervoso se estende pelo tecido que reveste o estômago e o sistema digestivo, e possui seus próprios circuitos neurais.  Segundo Rossi, isso torna a saúde do nosso intestino a chave para nossa imunidade às doenças uma vez que 2. 70% das células do nosso sistema imunológico vivem no intestino. A especialista diz que as pesquisas mais recentes indicam que, se você tem problemas intestinais, é mais provável que seja mais vulnerável a doenças.

“Diferente de qualquer outro órgão do corpo, nosso intestino pode funcionar sozinho. Tem sua própria autonomia para tomar decisões, não precisa que o cérebro lhe diga o que fazer”, explica a doutora Megan Rossi.

O Dr. Helion Póvoa, um dos maiores estudiosos no assunto, também enfatiza a importância do bom funcionamento do intestino para a nossa sensação de bem-estar e relaxamento, em seu livro  “O Cérebro Desconhecido”.

Segundo ele o  intestino é uma importante área de troca do corpo humano com o meio externo, que  auxilia na eliminação de  toxinas do organismo. “Mais do que aquilo que comemos, somos aquilo que absorvemos”, diz o Dr. Helion Póvoa, em seu livro.  É impossível ter um intestino saudável se a alimentação também não o for. Quando inflamado por conta de alimentos tóxicos e alergênicos, como industrializados e embutidos, o intestino perde sua microbiota (flora intestinal), que é povoada por mais de 100 trilhões de bactérias.

bernadetealves.com
Dr. Helion Póvoa um dos maiores estudiosos do Sistema Digestivo

As bactérias estão presentes em vários locais do corpo humano. Só no nosso intestino são cerca de 100 trilhões convivendo conosco, o que representa de 1 a 1,5 kg do peso corporal. Dentre essa enorme quantidade, existem aquelas que podem ser nocivas ao organismo (“bactérias ruins”) e também as conhecidas “bactérias do bem”, que atuam como verdadeiras aliadas da saúde humana.

Essas “bactérias do bem” são importantes por controlarem a multiplicação das “ruins” garantindo o equilíbrio da flora intestinal também conhecida como microbiota intestinal. São trilhões de seres que compõem um conjunto em simbiose com nosso organismo.

bernadetealves.com

O intestino oferece abrigo e alimento para a reprodução das bactérias boas ,e em troca elas mantém a integridade da mucosa intestinal , melhor absorção de nutrientes e controle da proliferação de bactérias que poderiam causar doenças.

O primeiro contato do intestino com as bactérias parece ser durante o parto e, por esse motivo bebês que nascem por parto vaginal normal apresentam uma primeira flora intestinal diferente de bebês que nascem por cesárea. Isso acontece porque no parto vaginal, o bebê entra principalmente em contato com as bactérias do canal vaginal e do intestino da mãe, enquanto na cesárea as principais bactérias são as da pele da mãe e as do ambiente hospitalar.

Alguns estudos indicam que a colonização pode começar ainda no útero. Uma importante fonte para formação de uma flora saudável é a amamentação

As longo dos primeiros meses de vida, a microbiota vai se alterando  conforme a alimentação do bebê. A partir daí, uma série de fatores irá influenciar a sua composição. Doenças que o bebê pega, o uso de antibióticos e mudanças na dieta, por exemplo, podem interferir diretamente na configuração da população intestinal.

A fase mais importante de crescimento e estabelecimento da flora intestinal acontece na primeira infância e vai se manter por toda a vida. Por isso, manter uma microbiota intestinal saudável parece ser uma boa forma de garantir uma melhor saúde geral.

A saúde intestinal impacta na mental, segundo os especialistas citados e estudos sobre o sistema digestivo. Isso porque o intestino é responsável pela produção de aproximadamente 80% de serotonina, um neurotransmissor que atua no cérebro e é responsável por conduzir impulsos nervosos como o humor, sono e funções intelectuais. Por isso, este órgão é considerado como “o segundo cérebro”.

Vários os estudos comprovam  que a flora intestinal, ou microbiota intestinal,  tem ainda uma função antibacteriana, imunomodeladora e protetora da mucosa. Constituída por cerca de 100 milhões de microorganismos, a microbiota intestinal está, na verdade, na linha da frente no que às nossas principais defesas diz respeito.

O intestino, que é dividido em delgado e grosso, é responsável pela absorção da maioria dos nutrientes (função do intestino delgado) e pela absorção da maior parte de água (função do intestino grosso) no organismo. Em seu trabalho normal, os alimentos devem percorrer todo o sistema digestivo a uma velocidade metabólica ideal, para que a massa alimentar e o bolo fecal não fiquem retidos (em qualquer parte do seu trajeto) mais do que o tempo necessário.

bernadetealves.com
Água de Coco, excelente soro vegetal para o intestino

Uma das melhores formas de manter um flora intestinal saudável  com mais “bactérias boas”, é  ter hábitos de vida saudável. Para melhorar a saúde digestiva e o microbioma intestinal é recomendável uma dieta diversificada, prática de exercícios físicos, sono tranquilo, reduzir o nível de estresse, ingestão de água, evitar álcool, cafeína e comidas gordurosas e apimentadas.

A alimentação moderna, com tanto refinados, aditivados e agrotóxicos, pode estar fazendo com que os intestinos padeçam, dificultando todas as nossas inteligências.

Segundo o médico André Barbosa, o uso de antibióticos, cortisona ou laxantes, uso abusivo de álcool, estresse, dietas pobres em fibras, assim como algumas doenças intestinais, como diverticulose, inflamação intestinal e a prisão de ventre, também favorecem o desequilibro da flora intestinal e, consequentemente, da instalação da disbiose.

bernadetealves.com
Sintomas de desequilíbrio da flora intestinal

O gastroenterologista diz que a disbiose intestinal provoca sintomas como desconforto abdominal, gases e arrotos, diarreia ou prisão de ventre,fezes mal-formadas, náuseas, dores de cabeça, unhas fracas, queda de cabelo, Candidíase de repetição e Cansaço. A cura pode ser alcançada através de uma reeducação alimentar orientada por um nutricionista. 

No entanto, quando a disbiose não é tratada, as bactérias ruins podem migrar para o sangue, podendo causar uma infecção em todo o organismo que, nos casos mais graves, pode levar à morte. Pessoas com disbiose podem desenvolver urticária e acne, que são causadas pela intoxicação provocada pela entrada das bactérias ruins no sangue e, por isso, é importante realizar o tratamento corretamente.

bernadetealves.com
Probióticos: combustíveis para a flora intestinal

Para tratar a disbiose é necessário ser acompanhado por um nutricionista porque o tratamento consiste em restabelecer a flora bacteriana com uma alimentação adequada. A pessoa deve consumir alimentos ricos em fibras e probióticos, que estimulam o crescimento das bactérias boas do intestino, ajudando a estabelecer a absorção de nutrientes e vitaminas.

Vamos cuidar do nosso “segundo cérebro” investido em atividades  físicas, tomando bastante água e em alimentos que fornecem fibras, vitaminas e minerais fundamentais à saúde intestinal.

bernadetealves.com

Alimentos para o intestino funcionar bem

Banana:  faz aumentar a produção do hormônio serotonina, o que melhora o humor e a sensação de bem-estar.

Coco: É ótimo para o bom funcionamento intestinal e, em casos de desidratação, funciona como um excelente soro vegetal, por ser rica em minerais.

Aveia: o cereal é fonte de fibras solúveis, que são parcialmente digeridas pelo intestino, retardando o esvaziamento gástrico e prolongando a saciedade.

Alface: A fibra mais abundante na alface é a celulose, que acelera o esvaziamento intestinal e diminui a pressão no seu interior, sendo imprescindível para quem sofre de intestino preguiçoso

Iogurte: excelente fonte de probióticos, esse alimento utiliza o açúcar do leite (lactose) para produzir energia e se proliferar, eliminando o ácido láctico, substância que aumenta a acidez da flora intestinal e inibe a proliferação das bactérias nocivas.