Vida saudável: ‘bombeiros’ naturais contra ácido torturante

bernadetealves.com

Quando sentimos algo diferente procuramos um especialista para tratar do problema. Uma mancha na pele corremos para o dermatologista, sensação de queimação no estômago e dor no peito voamos para um hospital. O médico solicita exames, examina, prescreve medicamentos e pede para retornar dali a algum tempo. Muitas vezes o problema persiste e mais drogas são prescritas.

Quem sofre com toda esta carga é o nosso organismo porque a medicina trata o sintoma. Cabe a nós tratar as causas para não ter nenhum problema. A prevenção é o melhor remédio e isso começa com o que colocamos em nosso prato.

bernadetealves.com

Muitas vezes somos tentados com uma variedade imensa de pratos gostosos e provamos de tudo um pouco daquela refeição especial. O problema é quando começa a queimação no peito, dor no abdômen, desconforto estomacal e arrotos.

De acordo com a médica Debora Poli, gastroenterologista do Hospital e Maternidade São Luiz Itaim (SP), os sintomas podem ser sinal de doença do refluxo gastroesofágico (DRGE), resultado do mau funcionamento da válvula entre o estômago e o esôfago, o que permite que o conteúdo ácido do estômago suba para o esôfago. “Para evitar isso, o ideal é fazer mudanças no estilo de vida, como mastigar bem a comida e parar de exagerar quando se senta à mesa”, diz a especialista.

Debora Poli lembra que refrigerantes, frituras, alimentos  ricos em gordura -como alguns tipos de carne, amendoim e até o chocolate- e frutas ácidas, pioram o problema e precisam ser evitadas, pois fazem o relaxamento desse esfíncter do esôfago, abrindo o caminho para que o conteúdo ácido do estômago suba até a região da garganta.

bernadetealves.com

A nutricionista Vanderli Machiori destaca os alimentos que neutralizam o excesso de acidez no estômago e reduz os sintomas de refluxo.

Marchiori recomenda comer mamão, aveia, verduras, legumes, chá de boldo, cominho, gengibre e água. São os chamados ‘bombeiros naturais’.

bernadetealves.com
Aveia

Aveia – além de ser um alimento bastante nutritivo, acaba neutralizando o excesso de acidez no estômago, o que ajuda a reduzir os sintomas de refluxo. Também é uma excelente fonte de fibra, que deixa a digestão funcionando melhor e diminui as chances do problema aparecer.

bernadetealves.com
Mamão papaia

Mamão – rico em enzimas proteolíticas, quimopapaína e papaína, um fitoquímico que também auxilia na digestão de proteínas e acaba diminuindo o refluxo. Cientistas austríacos realizaram um experimento em indivíduos com problemas de digestão. O grupo que recebeu extrato de papaia mostrou uma redução considerável no inchaço, constipação e azia. A dica é comer uma fatia de mamão após a refeição, na sobremesa.

bernadetealves.com
Legumes e verduras

Legumes e verduras – devido à ausência de gordura e açúcar, alimentos como legumes e verduras são eficazes na redução da quantidade de ácido gástrico produzido no estômago. Quase todas as cores e variedades são benéficas, mas batata-doce, folhas para saladas, cenoura, abóbora, feijão-verde e erva-doce são especialmente boas, por acalmarem o estômago e diminuírem seus níveis de acidez.

bernadetealves.com
Gengibre

Gengibre –  um potente  anti-inflamatório, que também melhora o funcionamento intestinal e, por isso, é um grande fitoterápico digestivo. Acredita-se ainda que tem um efeito positivo sobre as enzimas que quebram gorduras e proteínas, facilitando o processo de digestão e diminuindo o refluxo.

Cominho –  utilizado para temperar alimentos, também possui propriedades antioxidantes e antimicrobianas. O timol, um fitoquímico presente no cominho, estimula a secreção de enzimas, ácidos e bílis para promover uma boa digestão. Além disso, óleos essenciais, sódio e magnésio presentes no tempero ajudam a deixar o refluxo bem longe.

bernadetealves.com
Cominho

Chá de boldo – as folhas contêm  lactona, substância que possui gosto amargo, mas é muito eficaz na digestão de gorduras. Também têm diversos fitoquímicos, incluindo boldina, cânfora, limoneno, beta-pineno e cumarina, que são compostos antioxidantes. Só não exagere e tome uma xícara por dia, no máximo. Quando usado por longos períodos, pode causar irritação gástrica.

Especialistas sugerem tirar do cardápio:

Alimentos ricos em gordura -como alguns tipos de carne, amendoim e até o chocolate- que  tendem a diminuir a pressão do esfíncter esofágico inferior e retardar o esvaziamento gástrico, aumentando o risco de refluxo. Por isso, o melhor é optar por carnes mais magras, como patinho ou frango e peixe, sempre em preparações grelhadas ou assadas.

bernadetealves.com
Frango grelhado

Os alimentos fritos também relaxam o esfíncter esofágico inferior, que é responsável por prevenir o refluxo do estômago para o esôfago. Como resultado, é mais provável que você tenha refluxo ácido e azia após consumir algum alimento frito.

Frutas ácidas – como abacaxi, limão e laranja- que  pioram o problema e precisam ser evitadas, pois fazem o relaxamento desse esfíncter do esôfago, abrindo o caminho para que o conteúdo ácido do estômago suba até a região da garganta.

Refrigerante – além de possuir açúcar, altera e retarda o processo de esvaziamento gástrico. De acordo com um estudo, tomar bebidas do tipo pode contribuir para o refluxo por conta das bolhas nas bebidas gaseificadas, que podem causar desconforto estomacal e arrotos. Se você sofre do problema, é melhor nem tomar a bebida.

bernadetealves.com
Salada de folhas verdes

Uma alimentação adequada rica em nutrientes e vitaminas é fundamental para abastecer o corpo com os melhores  “combustíveis” para a saúde. Vamos então ter foco na saúde e não na doença.