101 dias sem chuva: a estética da estiagem em Brasília

bernadetealves.com
O deslumbrante amanhecer em Brasília em tempos de estiagem

A região central do país está sob influência de uma massa de ar seco e quente. O fenômeno faz temperaturas subirem e a umidade cair. Segundo o Inmet  a umidade varia entre 30% e 20% e a temperatura fica acima de 30ºC. a partir do meio dia. A previsão é que a semana deve continuar assim em estado de alerta de perigo potencial de baixa umidade.

bernadetealves.com

Brasília completa nesta quinta-feira 101 dias sem chuva. A última foi no dia 25 de maio, quando iniciou a estiagem. O brasiliense sente na pele os efeitos destes mais de cem dias de estiagem. Segundo o Inmet, setembro costuma ter a umidade mais baixa do ano, por ser um período de transição, com a chegada da primavera, no próximo dia 22.

bernadetealves.com
A estética da estiagem no Tribunal de Justiça do DF

A natureza, com toda a sua sabedoria, consegue se adaptar ao clima seco e quente, e dá espetáculo ao amanhecer e ao entardecer. Esta estética da estiagem tem explicação científica.

bernadetealves.com
Ipê amarelo em contraste com a névoa seca e os monumentos

A névoa seca que cobre Brasília todas as manhãs é resultado pela ação dos ventos, que sopram poeira ou fuligem de queimadas, causando acúmulo dessas substâncias na atmosfera.

bernadetealves.com
Amanhecer na Esplanada dos Ministérios. Foto: Daniel Ferreira/Metrópoles

O belo pôr do sol dos últimos dias tem a coloração diretamente ligada ao nível de poluição do ar.  Segundo os meteorologistas “Quanto mais vermelho ou laranja é o pôr do sol, mais suja está atmosfera”.

bernadetealves.com
A natureza pinta a Esplanada com as cores do arco-íris

A natureza e o lugar que habitamos proporcionam  âmbitos da experiência estética.  A relação meio ambiente com as pessoas  é muito revigorante  e alegre. Setembro está aí e a boa nova são os ipês amarelos que dão o tom desta estética maravilhosa. O amarelo é o Sol da primavera, estação das flores e da esperança que vai iluminar a janela do nosso peito para enfrentarmos as turbulências da natureza e as incertezas do coronavírus. A fé é o ingrediente que não pode faltar nas nossas vidas.

O Distrito Federal está em estado de alerta pela estiagem e pela baixa umidade do ar e de acordo com os critérios da Organização Mundial de Saúde a      população deve redobrar os cuidados neste período.

Segundo a classificação da OMS, o índice de umidade relativa do ar ideal é acima de 60%. Com percentuais mais baixos, a população deve se hidratar bastante para amenizar os efeitos da estiagem. Outro problema é o ambiental: nesta época do ano, aumenta a ocorrência de incêndios.

  • bernadetealves.com
  • bernadetealves.com

Entre 30% e 21%, é decretado estado de atenção. Se a umidade fica abaixo dos 20% e até 12%, a cidade entra em estado de alerta. Com menos de 12%, é decretado estado de emergência.

bernadetealves.com
Estádio Nacional de Brasília emoldura espetáculo da natureza

Estado de Atenção: entre 21% e 30%

  • Consumir água à vontade;
  • Ter uma alimentação mais leve, com frutas e verduras e carnes brancas;
  • Evitar banhos quentes;
  • Hidratar a pele;
  • Usar roupas leves, de preferência de algodão;
  • Umidificar o ambiente por meio de vaporizadores, toalhas molhadas e recipientes com água;
  • Evitar exercícios físicos ao ar livre entre 11h e 15h;
  • Evitar queima de lixo e entulhos.

Estado de Alerta : entre 12% e 20%

  • Usar soro fisiológico nos olhos e nas narinas;
  • Consumir água à vontade;
  • Umidificar o ambiente por meio de vaporizadores, toalhas molhadas e recipientes com água;
  • Evitar aglomerações em ambientes fechados;
  • Não fazer  exercícios físicos e trabalhos ao ar livre entre 10h e 17h.

Estado de Emergência: abaixo de 12%

  • Seguir as recomendações para os estados de atenção e de alerta;
  • Interromper qualquer atividade ao ar livre entre 10h e 17h, como aulas de educação física, coleta de lixo, entrega de correspondência, etc;
  • Durante as tardes, manter os ambientes internos úmidos, principalmente quartos de crianças, hospitais, etc.
  • Busque mais informações junto à Defesa Civil e ao Corpo de Bombeiros.