Estudos mostram impacto da alimentação no bem-estar e fadiga

bernadetealves.com

Estudo feito na Grã-Bretanha sobre os hábitos alimentares de 200 voluntários, concluiu que  cardápio pouco saudável prejudica o bom funcionamento do organismo, inclusive no que diz respeito às reações químicas ligadas às emoções. E que alimentos ricos em triptofano, por exemplo, são boas apostas, já que a substância tem participação na produção de serotonina e dopamina.

bernadetealves.com
Estudos mostram impacto da alimentação e do exercício físico ao ar livre, no bem-estar e na depressão

Para chegar a este resultado eles perceberam que as mudanças na dieta e a atividade física em 88% dos voluntários, conseguiram amenizar os sintomas de transtornos mentais, como ataques de pânico, ansiedade e depressão.

bernadetealves.com
Estudos mostram benefícios da alimentação saudável no combate ao estresse físico e emocional

Alimentação versus emoções é tão relevante que foi criado um centro de pesquisa multidisciplinar chamado Food & Mood na Universidade Deakin, na Austrália, que reúne diferentes áreas do conhecimento, como psicologia, dietética, biomedicina e psiquiatria, para entender as formas complexas pelas quais os hábitos alimentares influenciam no cérebro e, por tabela, no humor e na saúde mental. Lá, estão sendo conduzidos atualmente mais de 20 estudos sobre o assunto.

bernadetealves.com
Estudos mostram impacto da alimentação no bem-estar e na depressão

Na Inglaterra, existe o Food and Mood Project, da terapeuta nutricional Amanda Geary, que também comprovou por meio de evidências científicas que alterações no que comemos podem levar a melhoras no que sentimos e na forma como nosso cérebro trabalha.

Estudo publicado na Revista de Saúde Pública em 2017, comparou os costumes de 49.025 brasileiros adultos e seus sentimentos, e concluiu que aqueles que tinham comportamentos menos saudáveis, o que envolvia a ingestão de carnes gordurosas, refrigerantes, fumo e álcool em excesso, apresentaram mais tendência à depressão. Já os que praticavam atividade física ao ar livre e se alimentavam com produtos saudáveis, eram bem humorados e felizes.

bernadetealves.com
Estudos mostram impacto do exercício físico ao ar livre e da alimentação no bem-estar e na depressão

Não há como questionar que a alimentação tem um papel importantíssimo na prevenção e no tratamento de problemas ligados às emoções. Para quem tinha dúvida sobre o que comer, agora sabe o quanto os alimentos influenciam nas nossas emoções. Que tal rever os conceitos?

bernadetealves.com
Café da manhã é a refeição mais importante do dia

Alimentos ricos em triptofano, como: mel, mamão, ovo, banana, melancia, são boas apostas, já que a substância tem participação na produção de serotonina e dopamina, os neurotransmissores ligados ao bem-estar, além de itens ricos em vitaminas do complexo B e selênio, um poderoso antioxidante que auxilia na melhora dos sintomas da depressão.

bernadetealves.com

As comidas ricas em gorduras, sódio ou açúcar, fast-food, enlatados e embutidos, causam deficiência de vitaminas e minerais. Como o folato e a vitamina B12. A falta deles provoca ânimo depressivo e deteriorização cognitiva. Sabendo o que pode ajudar e o que pode prejudicar nosso bem-estar fica mais fácil amenizar a ansiedade, depressão e ataque de pânico.

Alimentos que melhoram o estado de espírito

bernadetealves.com
Mel, promove sensação de prazer e combate as sensações ruins

Mel  – Promove sensação de prazer e combate as sensações ruins. Também age como antioxidante, deixando esse efeito positivo ainda mais potente. Recomenda-se o consumo de duas colheres (de sopa) de mel por dia. Não deve ser consumido por diabéticos, alérgicos e crianças menores de um ano de idade.

bernadetealves.com
Mamão, rico em fibras e em antioxidantes, que aumentam o bem-estar

Mamão –  Outro que oferece uma boa dose de triptofano. Além disso, é rico em antioxidantes, substâncias que também têm participação no aumento do bem-estar. Isso sem falar nas fibras, que dão uma força ao funcionamento do intestino, mais um item que melhora o humor. Recomenda-se o consumo de 1/2 unidade de papaia ou uma fatia média do formosa diariamente. Deve ser evitado por pessoas com diarreia.

bernadetealves.com
Diferentes formas de comer ovo, rico em Vitaminas do Complexo B, e triptofano

Ovo – Rico em triptofano, o ovo ajuda na produção de serotonina e dopamina, além de ser rico em vitaminas do complexo B, que favorecem o bom humor. Recomenda-se consumir uma unidade por dia, preferencialmente cozido, mexido, omelete ou frito em água. Quem tem colesterol alto deve ingeri-lo com moderação.

bernadetealves.com
Banana, rica triptofano e vitamina B6, que ajuda a combater a ansiedade e a irritabilidade

Banana – Mais uma que, por causa do triptofano, ajuda no bom humor. Para melhorar, tem vitaminas, como a B6, que ajuda a combater a ansiedade e a irritabilidade. Recomenda-se o consumo de cerca de 2 bananas ao dia, que podem ser cruas ou cozidas, com canela, aveia ou mel. Deve ser ingerida com moderação pelos diabéticos, devido ao alto teor de açúcar.

bernadetealves.com
Espinafre combate depressão e doenças degenerativas

Espinafre – Ajuda a combater a depressão e as doenças degenerativas, por ter boas doses de potássio e ácido fólico. Recomenda-se o consumo de uma porção de equivalente a um pires três vezes por semana, fresco ou cozido. O espinafre deve ser evitado por pessoas com problemas graves de fígado ou rins e vias urinárias.

bernadetealves.com
Melancia, rica em triptofano e vitamina C, excelente antioxidante, ajuda a combater o estresse físico e emocional

Melancia – Rica em triptofano e vitamina C, excelente antioxidante que ajuda a combater o estresse físico e emocional. Recomenda-se o consumo de uma fatia média de melancia diariamente. Deve ser ingerida com moderação pelos diabéticos, devido ao alto teor de açúcar.

bernadetealves.com
Grão-de-bico, rico em ômega 3 e 6, que combate a tensão mental e a ansiedade

Grão-de-bico – Também conta com triptofano, ou seja, ajuda na sensação de bem-estar, além de ser rico em ômega 3 e 6, que combatem a tensão mental e a ansiedade. Recomenda-se consumir grão-de-bico preferencialmente diariamente, em torno de duas colheres (de sopa), que podem ser misturadas a cereais integrais e legumes. Evite se sentir muitos gases ou cólicas.

bernadetealves.com
Nozes, ricas em selênio, um poderoso antioxidante, auxiliam na melhora dos sintomas da depressão e elevam o bom humor

Nozes – Ricas em selênio, um poderoso antioxidante, auxiliam na melhora dos sintomas da depressão e elevam o bom humor. Também têm ômega 3, que ajuda a reduzir a tensão e a ansiedade. Recomenda-se o consumo diário de cinco unidades. Deve ser ingerida com moderação por pessoas com dietas controladas em valor calórico ou gorduras.

bernadetealves.com
Salmão, rico em ômega 3, gordura boa com ação anti-inflamatória com papel importante na melhora do humor

Salmão –  Assim como outros peixes, como a sardinha, tem muito ômega 3, gordura boa com ação anti-inflamatória com papel importante na melhora do humor. Recomenda-se a ingestão de cerca de 100 gramas ao menos duas vezes por semana.

Alimentos inimigos do bem-estar

Refrigerante – rico em substâncias que não promovem boas emoções. Além disso, contém açúcar simples, que é rapidamente absorvido pelo corpo, o que leva a um pico de glicose, seguido de queda brusca, gerando sensação de tristeza e desânimo. A versão light ou zero, também não é recomendável pois contém cafeína e existem indícios de que os adoçantes podem estar associados à depressão.

Frios e embutidos – Contêm gordura, conservantes e aditivos que reduzem a energia e causam mudanças de humor.

Frituras – São cheias de gorduras saturadas e costumam ter bastantes carboidratos refinados e sal. É a receita perfeita para picos e quedas de energia, que levam ao mau humor e cansaço. Isso sem falar que o excesso de gordura pode prejudicar a ação do triptofano.

Alimentos processados – Salgadinhos industrializados, biscoitos ou doces podem afetar demais o humor devido a quantidade de açúcar refinado, gorduras saturadas e conservantes. Eles causam fadiga e irritabilidade.